um pouco sobre família

Cap. 1

Em 23 de outubro de 1978 nasci. Segundo filho dum casal improvável, minha mãe carrega um nome de origem alemã e meu pai um de origem italiana. Não só o nome, carregam de forma incrível uma personalidade bem definida de temperamentos opostos. Até onde sei, minha mãe é uma mulher forte (fortíssima), centrada, não leva muito jeito para brincadeiras, séria e inteligente, não gosta de perder tempo com besteiras. Já meu pai é uma figura ímpar, inteligente, teve diversas oportunidades na vida de “se dar bem”, suas escolhas no entanto o levaram para o oposto disso, e ainda assim, sempre de bom humor, um exímio contador de histórias, com forte tendência para as comédias.

Quando dei por mim, já eram separados. Na infância tive pouco contato com meu pai, e minha mãe representava tudo. Passava o dia trabalhando e a noite desenvolvendo sua grande paixão na vida, ajudar o próximo. Engraçado, pois essa doação nos privou de um contato maior com ela, que saia cedo e voltava tarde todos os dias. Ainda sim, a marca de sua vida é presente como o ar para mim. Admiro-a sinceramente. Não me prolongarei agora sobre ela pois é tão presente que volta e meia estarei me referindo a ela.

Meu pai dentre tantas coisas chegou a ser jogador de futebol profissional. Infelizmente, o único jogo que assisti de sua breve carreira, foi em Itaocara, cidadezinha do interior do Rio de Janeiro, não lembro os clubes, e só lembro de um único lance do jogo. Era um jogo difícil, truncado, meu pai era atacante. Eu era pequeno e me divertia com minha irmã e meus primos ao lado do alambrado. Num relance, olhei para o jogo e meu pai estava recebendo um bolão, dentro da área, fez tudo certo, a plástica da jogada era bonita, e então….Penalti! o zagueirão adversário que era bem maior que meu pai o levantou um dois metros do chão, cabeludo na época, ele fez aquela cena. Acho até que realmente machucou, mas ele levantou destemido, pegou a bola e falou: “Eu bato!”

Que orgulho! que momento! o jogo ainda estava 0X0. O juiz apronta tudo, papai corre pra bola e: sei lá o que aconteceu! Juro que não lembro, meu pai perdeu o pênalti! Não sei se jogou pra fora, se o goleiro agarrou ou talvez tenha mesmo tropeçado e falhado no chute. Enfim, o único jogo que vi do meu pai ele perdeu um pênalti. Isso basta.

Depois de grande o ouvi contar cada história dele e meu tio….daria um filme. Nesta mesma cidade, Itaocara, um belo dia meu pai acordou e não viu sua brasília 1.6 na garagem. Quando meu tio chegou, tinha novidades:

- Fiz um ótimo negócio!!

Não era bom sinal, meu tio era muito impulsivo…..

- Troquei “nosso” carro por cinco cabras!!

- Como assim “nosso carro”? Cinco cabras!!?? O que vamos fazer com cinco cabras? Onde vamos por isso, alimenta-las?…….que loucura……

-Não se preocupe, venderemos o leite, compraremos dois carros!!

-Isso não vai dar certo, que furada! Onde vamos por as cabras?

-Aqui no quintal, está ótimo!

Claro que não estava, praticamente não havia quintal, não havia mato para as cabras comer….o tempo esquentou entre os dois irmãos….meu pai esbravejou e mandou meu tio resolver a questão, não havia chance de manter cinco cabras magras no quintal.

Meu tio saiu, levou as cabras, e horas depois retornou.

-Resolvi tudo!

-Como?

-Pedi para Arnaldinho guarda-las em seu sítio.

-Arnaldinho não…….

Arnaldinho era um conhecido ladrão de gados e afins da região.

-Como você entrega cinco cabrinhas para um ladrão tomar conta delas? Você fudeu com tudo!!!

Meu tio não gostou de ouvir a verdade daquela maneira, saiu emburrado falando que ia resolver tudo, iria desfazer o negócio. Obvio que quando procurou, não encontrou nem Arnaldinho nem as pobres cabras. Parece que levou uns cinco angustiados dias para meu tio conseguir fazer contato com seu nobre amigo, que lhe explicou tudo direitinho:

-Poxa, o que você queria, vendi as cabras, você sabe que eu “trabalho” com isso. Quanta sinceridade. Até onde sei, meu tio arrancou do tal Arnaldinho algum dinheiro, menos do que valeria a brasília 1.6 de meu pai. Com o dinheiro comprou um carro pior e voltou para casa. Estacionou, entregou a chave ao meu pai e disse:

-Pronto! Tudo resolvido. – acreditem, este é o fim da história.

Os dois tiveram também numa época uma construtora. Um ramo que envolve muito dinheiro. Estiveram bem por um tempo, até abrirem a participação da empresa para um judeu que no final das contas ficou com tudo. Não contarei essa história, apesar de já ter ouvido-a algumas vezes, esqueci os detalhes, mas se não me engano, tudo começou a desmoronar, quando meu tio vislumbrou idéias que meu pai não concordava, mas acabou fazendo. Meu tio era uma figura ótima, alegre, brincalhão. Todas as crianças adoravam ele e ele nos adorava a todos como verdadeiros filhos, muita atenção, paciência e idéias mirabolantes. Nessa época, nas férias, meu tio volta e meia acordava no meio da noite para ficar fazendo barulhos e assustando os outros ocupantes da casa, sempre sorrindo, como uma criança. Gostaria muito de tê-lo agora ao meu lado, com todo esse seu jeito, seríamos amigaços.

Resumindo de forma clara e sucinta, em minha visão, a família de minha mãe tem a tendência de gerar pessoas sérias, comprometidas e organizadas para vida, planejadoras de futuros…..a família do meu pai gera pessoas com tendências de achar graça em sua própria desgraça. Pessoas mais desprendidas de tudo, muito ligada aos amigos que faz pela vida. Lá em casa, minha irmã puxou a família de minha mãe, e eu, a do meu pai. Hoje somos amigos, mas na infância, essa diferença fez com que eu e minha irmã resolvêssemos tudo no tapa. Parecia que minha vida irritava minha irmã, ela reclamava de tudo e isso me irritava também, quando a irritação de ambos dificultava a formulação de argumentos, saíamos na porrada.

Poema “Preciso lhe Dizer” – frederico martucci

Preciso lhe dizer

Porque raios não podemos dizer “eu te amo”

para alguém que mal conhecemos?

do amor não entendemos…. o amor se constrói!

Sim, eu sei… leva tempo e requer intimidade…

como é preciso em algum momento que este amor brote,

que germine agora e teste logo essa nossa sorte!

Não tenho vergonha nem modéstia de dizer,

que sou um poeta, diferente de tudo no viver.

Ora tímido, ora determinado a escrever

uma história que gostaria de ler.

Que nos fala sobre o amor, o que se constrói

e o que brota como cogumelo ao amanhecer.

Poderia escolher ser normal, educado, comedido,

sem querer comprometer-me…

Mas preferi escrever poemas, imaginando enlouquecer-te!

E não me peça para esquecê-la!

Se você quiser que me esqueça!

Mas permita-me viver cultivando aquilo que acredito ser…

a chance de fazer da vida uma vida linda de se viver.

Precisaria estar morto para esquecer de você!

Entenda que o poeta enquanto cria, às vezes assusta e preocupa,

dizem que estás louco… em sua solidão desnuda, escancarada….

Porque assustam as belas palavras? Se são belas, e quase ninguém fala?

Porque ser intenso afasta? Se a frieza indiferente é o que quase me mata…

No dia a dia igual a tantos outros pareceria,

mas que sentido haveria ser igual a tantos outros no momento que se cria?

Que sentido haveria dizer : eu te amo! Como tantos outros fariam?

Se só me restam as palavras para te conquistar, que sejam as mais belas,

Pois depois do gosto de você na vida, três dias em tua companhia,

Quem me julgará por dizer “eu te amo” se das belas palavras dependo tanto?

Check out music from bolivia 51

[reverbnation widget=fan_collector artist_id=1222507 bgcolor=EEEEEE fontcolor=000000 street_team=true]

Check out music from bolivia 51

[reverbnation widget=fan_collector artist_id=1222507 bgcolor=EEEEEE fontcolor=000000 street_team=true]

29 REGRAS PARA ESCREVER BEM PORTUGUÊS

29 REGRAS PARA ESCREVER BEM PORTUGUÊS

1. Deve-se evitar ao máx. a utiliz. de abrev., etc.

2. É desnecessário fazer-se empregar de um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisístico.

3. Anule aliterações altamente abusivas.

4. não esqueça as maiúsculas no início das frases.

5. Evite lugares-comuns como o diabo foge da cruz.

6. O uso de parêntesis (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.

8. Evite o emprego de gíria, mesmo que pareça nice, topa?

9. Palavras de registo calão podem transformar o seu texto numa m…

10. Nunca generalize: generalizar, é um erro em todas as situações.

11. Evite repetir a mesma palavra, pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.

12. Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: “Quem cita os outros não tem ideias próprias”.

13. Frases incompletas podem causar grandes equívocos.

14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez, ou por outras palavras, não repita a mesma ideia várias vezes.

15. Seja mais ou menos específico.

16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!

17. A voz passiva deve ser evitada.

18. Utilize a pontuação correctamente o ponto e a vírgula especialmente será que já ninguém sabe utilizar o ponto de interrogação

19. Quem precisa de perguntas retóricas?

20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.

21. Exagerar é cem milhões de vezes pior do que a moderação.

22. Evite mesóclises. Repita comigo: “mesóclises: evitá-las-ei!”

23. Analogias na escrita são tão úteis quanto as hastes numa galinha.

24. Não abuse das exclamações! Nunca! O seu texto fica horrível!

25. Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultam a compreensão da ideia nelas contida, e, por conterem mais do que uma ideia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçam, desta forma, o pobre leitor a separá-la nos seus diversos componentes, de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.

26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língúaa portuguêza.

27. Seja incisivo e coerente, ou não.

28. Não fique escrevendo no gerúndio. Você vai deixando seu texto pobre – causando ambiguidade – e esquisito, ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo.

29. Outra barbaridade que deve evitar é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde mora, “carago”!

para responder.

quantas pessoas de fato teriam sentido o “amor”, se nunca houvessem escutado essa palvra?

Poema “Ah Frescura” de Álvaro de Campos

Ah a frescura na face de não cumprir um dever!
Faltar é positivamente estar no campo!
Que refúgio o não se poder ter confiança em nós!
Respiro melhor agora que passaram as horas dos encontros,
Faltei a todos, com uma deliberação do desleixo,
Fiquei esperando a vontade de ir para lá, que’eu saberia que não vinha.
Sou livre, contra a sociedade organizada e vestida.
Estou nu, e mergulho na água da minha imaginação.
E tarde para eu estar em qualquer dos dois pontos onde estaria à mesma hora,
Deliberadamente à mesma hora…
Está bem, ficarei aqui sonhando versos e sorrindo em itálico.
É tão engraçada esta parte assistente da vida!
Até não consigo acender o cigarro seguinte… Se é um gesto,
Fique com os outros, que me esperam, no desencontro que é a vida.

1. / 2. / 3. / – - poesia literatura, fragmentos da historia. por frederico martucci

1.

Desço a Noronha Torrezão na chuva, quieto.

Sinto dores por minhas pernas e em meus pés.

A lateral exterior dos meus dedinhos está doendo muito hoje.

Acordei às duas da tarde.

Saí, almocei sozinho. Sem fome.

(sinto que preciso comer comida)

Aluguei dois filmes na locadora.

Estive deitado o dia todo. Preguiça.

Vi os dois filmes alugados e um terceiro que havia comprado na Uruguaiana durante a semana, pirata.

Uma comédia, um filme de catástrofe/fim do mundo e outra comédia.

O saldo –  continuo sentindo meus dedinhos implorarem perdão, para que cesse a dor .

2.

Continua chovendo, são 11:30 da noite, dia dos namorados.

Estou sozinho, como sempre.

Não que não tenha namorado, na verdade, namorei pouco,

poucas meninas que realmente achava que amava, ou de fato amava,

poucas as que apostaram em mim enquanto planejava apostar nelas também!

Muitos desencontros. Quero sair sem guarda-chuva, andar e fumar um cigarro,

beber uma cerveja e tentar resistir à idéia de que a única solução é a morte.

Dramático, eu sei. Não me mataria, mas isso não impede que às vezes deseje brincar com a morte.

3.

Mudanças!!

Não escrevia há três semanas e neste intervalo muita coisa aconteceu!

Clichê e brega, sei eu sei, …mais coisas aconteceram,

e fizeram com que eu voltasse a acreditar em mim!

(engraçado como isso faz uma enorme diferença)

Você pode estar exatamente igual em tudo, amores, dinheiro e saúde.

Acreditar ou não em si é o que faz uma puta diferença!

Acreditar lança luzes onde antes havia escuridão. Gera ânimo e disposição!!

(amanhã muda tudo outra vez… Como fui estacionar aqui?)

- A idéia era contar uma história linear, temporalmente falando…

mas advirto-o!, de que não me absterei de comentar o presente,

mas que nunca, eu miro o presente!!

!! tentando esquecer o passado e tentando não me preocupar muito com o futuro !!

… – por mais engraçado e dúbio que seja – …estar aqui contando o passado e admito!!

(vocês ainda não sabem),

com reais motivos concretos e tudo! para estar preocupado com o futuro. (!!)

Será que realmente vale a pena? Ou está confuso demais?

Se estiver, sinal de que estou sendo fiel e sincero. -

A única coisa que me interessa de fato são as pessoas,

seja você, uma ou outra.

…..Se a historia for bem contada……..

Encontrei esse papel com palavras de 10 anos atrás, ou mais… eu era um menininho que sempre escrevia, sou agora um homem e continuo escrevendo…

E quando a hora chegar

Você me disse que não disse

aquilo que ouvi de você,

e que fez o que não fez

e que vi você fazer,

e que tem vontades

que não condizem com a realidade.

O que vivo presenciando

é você dizendo que fez por amor

aquilo que nem moribundo espera.

[ouvindo doentemente no repeat "Dying (I don't mind)" Frusciante]

------------------
Bm               F#m
Here's one for the unknown past
A			 E
Shooting into infinity
Bm       F#m                     A       E
Here's one for the cut out frames below you

Bm             F#m
Hear the sound, I've been down
A      E           Bm          F#m
Hear it reaching up through the trees
A                   E
Here is where you'll always be

G      F#m       E
And dy---ing
G         F#m     E
You're dy---ing

Bm               F#m
Here's one for the future
A                 E
Here's one for the many
Bm               F#m       A       E
Here's one for the deadline we push back

Bm         F#m
Here's one forsaken
A            E
Here's one to delay
Bm            F#m
You can hold my time I'll drive
A          E
But I don't mind
---------------------

O que você seria? / Sucesso sozinho no deserto / Soneto para Ourique – fredericomartucci poemas poesias

O que você seria?

Se fosse gosto,
seria como chocolate.
Se fosse luz,
um azul bem gostoso,
bem clarinho…
Até se fosse uma pedra,
serias a montanha mais alta e bela!
E se fosse praia?
Poderia ser uma bem pertinho…
e mergulhar e mergulhar…
Se tú fosse uma estrela….
todo aquele encanto,
são todas lindas, todas as estrelas…
Ás vezes não desejo ver o sol nascer,
que nos torna cegos
para ver estrelas ao amanhecer…
Se tú fosse um bichano,
te vejo atrás de bolas de pano,
me encantaria cuidar,
tê-la nos braços
eternos só seus abraços.

Sucesso sozinho no deserto

Se faço certo, sucesso!!
Tudo em volta cresce,
se sucedem coisas,
de quase tudo um pouco…

Passo reto.

Se erro,
não me descabelo,
não me jogo ao chão,
não me afogo no lago,
não faço pirraça, em atenção.

Passo reto.

Prometi mesmo cansado lutar,
descrever o que meus olhos conseguem ver,
o que imaginam ver, certo e errado,
sucesso no deserto ou no teatro.

Soneto para Ourique

Ei, estou morrendo de vontade
de fazer um soneto para você,
tenho vontade de inventar um assunto,
fazer um interurbano, te dar um beijo, enlouquecer.

Não inventaria agora que te amo,
patético, ah…mas como eu gosto de você!
Como tenho dúvidas sobre tí,
deveria ter tentado uma vez mais envolver-te?

Minha amiga, gentil namorada
de minhas noites insones,
porque tanto hesito quando penso em você?

Já te fiz me querer,
já me fiz te perder,
vou ligar agora e dizer que fiz este soneto só para você!

“Palavras Grandes”, “Você morre de medo…” e “Um Pequenino Fado” – frederico martucci poemas poesias

Palavras Grandes

Apaixonado; soterrado…

sorrindo; desaprendendo…

fiel como o sol ao céu

pequenino foco sutil…

imaginativo movimento

de imaginar o criativo

impulso de criar de impulso

como se a vida estivesse em jogo

a todo momento,

se pegasse fogo,

se levasse um soco,

se minha menina me olhasse torto…….

Desaprender…

achar algo novo…

mesmo soterrado ou apaixonado,

por mim, por todos os outros…

um de cada vez, os dois, ou três,

preciso de mais ou menos isso

para começar a gostar de vocês….

depois dos beijos seus, meus…

depois de começar a escrever…

não conseguiria mais viver daquele mesmo jeito antigo…

que provavelmente viveria até morrer.

Mas isso foi um pouco antes de te conhecer.

Você morre de medo de ser minha amiga achando que posso criar expectativas que não se concretizarão e ai…

(sobre seus receios e minhas expectativas…)

Você fica com medo do fardo de me fazer sofrer, e se ausenta…

Por tantas coisas já passei, tantas transformações,

tantas idas e vindas, uma estação errada e finalmente me encontrei.

E lhe garanto! Por você o que sinto só os anjos explicariam, não tentarei!

Você nunca me destes motivos para sofrer, e sempre ao meu lado,

você foi o que eu queria, o que sempre sonhei.

A vida nos separou e hoje reconheço um novo começo quando te encontrei!

Nunca mais à questionarei! Tudo que precisava naquele momento aconteceu!

Sentia-te ao meu lado, bem pertinho, para todo o sempre me cativou, te cativei…

Sua dolorosa partida senti de uma forma assustadora,

e de tamanha dor, num terreno tão inóspito brotou uma linda flor.

Saiba que sou o homem mais interessante que já lhe beijou!

O que mais te amou, o mais louco e imprevisível maluco

que verdadeiramente viveu, ao seu lado um grande amor!

A sinceridade e as palavras são minhas amáveis e cruéis armas,

e se assusto os que miro, não lamento mais, os redimo.

Pobres os que se privam, a vida me reserva um destino,

e aos que queiram estar ao meu lado, os convido ao meu mundo,

entrem, a luz sempre acessa, se for você, me ilumino.

Um pequenino fado

Oh dor, avante

além mar

se estou aqui ou distante

acompanhaste-me

e para atenuar-te canto

faço filme, durmo pouco e danço

desatento deslumbramento meu

outrora enriquece sonhos

de menino moço perdido, entediado….

Carta ao Senhor / O Ausente / Insônia – frederico martucci / poemas

Carta ao Senhor

Deus,

tenho tentado escrever, compor palavras,

mas ando meio desligado, distante disso…

escrevo só de vez em quando

(ás vezes até com louvor…)

são e-mails; cartas à novos e  antigos amigos….

daí me ocorreu escrever uma carta também para o Senhor.

Sendo quem és não preciso de pudor certo?

o Senhor sabe de tudo não é?

inclusive o que se passa em minha mente e coração…

…que legal! assim poupo tempo, inventando uma razão…

Isso poderia até ser bom,

mas começar assim como posso começar com o Senhor,

sem nada poder esconder (mesmo que quisesse)…

nos garante uma conversa sincera, e isso almejo…

além disso, posso pular direto para a parte dos conselhos?…

Me diga, o Senhor teria para mim alguma dica?

Digo, te entendo, sei que não pode abrir o jogo assim…

mas quem sabe discretamente, uma idéia para este momento?

O que?! Calma ai!! acho que o Senhor falou comigo certo?

É para ouvir meu coração? Olha, isso eu até sei…

mas acontece que ele anda meio histérico ultimamente…

as vezes fala e não entendo, anda batendo loucamente.

Mesmo não podendo me dar uma mãozinha,

é bom falar com o Senhor, pois o Senhor me entende.

Ouvistes a última música que compus e gravei?

Viu os poemas que fiz e digitei?

O que o Senhor achou? É bom? Nada de mais, eu sei…

melhor que os mesmo, acho bom fazê-los…

Sabia que o senhor curtia……

Enfim, sei da minha parte,

Mas bem que o Senhor podia me dar uma mãozinha…

Talvez a oportunidade de um novo e grande amor!!

Isso seria muito bom para mim,

o Senhor sabe disso…

Sabe como fico animado com a vida,

tendo por perto uma sincera menina.

Lhe deixarei em sua eterna paz,

sei que outros e muitas coisas o solicitam,

este mundo que vivo anda louco,

e sabendo de novidades, te digo.

Agradeço cada momento vivido,

oferecido por ti da beleza desconcertante do infinito.

O Ausente

Se não você, se não agora…

(penso que já esperei demais…)

então quem? então quando?

(se ao menos alguém escrevesse sobre….)

Se faria presente mesmo ausente?

Se tudo posto foi consumido, fogo…

polinizar-se-iam cinzas? um rosto….

mesmo em terreno consumido, fosco?….

Tosco pensamento…

um eterno ausente…

em sua vida ainda presente.

Que está cheia, enquanto a minha vazia;

que está quente, a minha consumida;

que está presente, enquanto eu ausente.

Insônia

O sempre pode ser demais.

A angústia é vivida a cada segundo.

E sempre parece interminável.

A insônia que atravessa a madrugada,

É como morrer afogado.

Lentamente você lamenta a falta de ar,

A valorização de cada segundo em vão.

A sobriedade nauseante daquele instante,

Que não se consegue aproveitar.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.